À terceira é vez

Há demasiado tempo que tento organizar os meus pensamentos, as minhas lembranças e tudo de complicado na minha vida, são poucas as coisas, mas grandes por assim dizer.
Estou hoje, aqui, presente, com dezoito anos de vida e o que sei do meu passado?!
Quem me deu o meu primeiro biberon, com quem aprendi andar, quem me induziu os valores importantes que me fizeram ser forte e nunca pensar o mal das coisas, sempre o bem, que tudo tem uma explicação, porque de facto, estou bem “treinada”, é importante para mim saber. Tenho agradecer a todas estas pessoas que de alguma maneira tiveram que substituir os pais, tios, avós, irmãos… até achava piada andar de um lado para o outro e não nego que aprendi muito nos colégios de acolhimento, há situações piores, acredito, mas não deixa de ser a minha situação e até a minha história.
Sou de argumentar o porquê das coisas, é uma maneira de estar constantemente a aprender, questiono-me em relação aos meus pais biológicos e à pseudo adopção que me destruiu por dentro. Como é que existe gente macabra que, para além de serem infelizes com elas próprias, acham mais coerente ainda fazer os outros infelizes, em vez de se tratarem. Isto ainda custa mais que não ter tido os meus pais por perto. Não não tenho qualquer ligação com os mesmos, lá têm as razões deles, possivelmente um dia tenha a coragem e baixe a crista para ouvir uma ou varias explicações.

Agora em relação à pseudo adopção uma coisa compreendi, não nos iludamos com as pessoas, maior parte delas têm um propósito, antes de mais, saber o desígnio desse propósito. Por conseguinte, foram apenas quatro anos e neste momento estou mais feliz em meses, mais realizada, mais espontânea na melhor família das famílias, permanentemente agradecida por tudo e por mais. Não sou de mostrar a minha felicidade, mas estou, nunca me senti tão feliz como estou, cada um faz parte de mim, tanto a família Garcia, Castro, Oliveira e Silva, Cabral, Nazaré e acabar nos Amados, são-me especiais. 


Tânia Amado

5 comentários:

  1. és um grande orgulho nosso. só tenho pena que não tenhas vindo mais cedo porque para nós parece que cá estiveste desde sempre. love you

    ResponderEliminar
  2. Os Amados todos, certo? Porque o que é do meu irmão, também é nosso! Quer queiras, quer não, o João vem com "brinde"! lol

    ResponderEliminar
  3. és muito bonita Tânia! Bonita, inteligente, madura, ansiosa de afectos e de saber, que felicidade ser assim! Como família todos crescemos por te ter connosco, pela tua força, pela tua vontade e pelo exemplo da nova familia Amado, somos de facto pequenos perante alguns gestos dos que nos são próximos e que nos enchem de orgulho! Parabéns Tânia, Rosinha e João! (olha que o tio Zé é Castro, não é Garcia ou ???) bjs

    ResponderEliminar
  4. Parabéns aos manos, aos pais e sobretudo à mana mais velha (ou à mais nova mana da família). A casa na quinta já parece pequena para tanta gente, mas à lá Palma Leal fazem-se umas obras no verão e já cabem mais uns!

    ResponderEliminar