6 de Abril de 1994

Caríssimos,

Hoje é dia para recordar. É um dia triste. É um dia de perdão. Um dia para não esquecer os piores lados do ser humano. Um dia para admirar o perdão de alguns e perdoar a falta de perdão de outros.

6 de Abril de 1994: Eu vivia há 9 meses no Burundi com os meus pais. Apesar da guerra civil no Burundi ter começado em Outubro de 1993, conseguimos que os meus irmãos viessem ter connosco, e em família fomos para a Tanzânia fazer um safari. Eram luxos baratos para quem vivia naquelas zonas.
No dia 6 de Abril de 1994, voltávamos para casa. Tínhamos que atravessar o Ruanda para fazer o caminho mais directo quando perto da fronteira ruandesa ouvimos no rádio que tinha havido um atentado no aeroporto de Kigali e que pessoas importantes tinham morrido. Já sabíamos que haveria consequências imediatas, porque assim rezava a história entre Tutsis e Hutus. Demoraria horas a contar a história destas etnias, talvez um dia me dedicarei a isso. Nesse dia 6 de Abril de 1994, fomos "parados" por militares e "aconselhados" a fazer caminho diferentes. Assim fizemos, mesmo assim passando por caminhos que hoje em dia, sabendo o que sei, teria recusado passar.

O dia 6 de Abril marcou o fim do principio duma das maiores desgraças da História da humanidade. Naquela data começava o grande genocidio do Ruanda e no Burundi, onde morreram brutalmente mais de 1 milhão de pessoas durante 1 ano (mais de 800 mil no ruanda. Perto de 200 mil no Burundi)


Não é hora nem sitio para descrever o que passou pelos meus olhos nesse ano. Nem as histórias que tive que ouvir, nem o medo que cheirei, ouvi, vi, senti, e que provei, no amargo que é saber a realidade do que o homem é capaz.

6 de Abril 2014

vejo este artigo

http://www.nytimes.com/interactive/2014/04/06/magazine/06-pieter-hugo-rwanda-portraits.html?_r=1

A capacidade de perdoar é infinita. Ficou para mim hoje provado. Se tinha dúvidas sobre o infinito, fica aqui provado, para mim que o infinito é real. E dentro do próprio ser humano.

Para os que não sabem o que aconteceu no Ruanda e no Burundi, peço-vos que procurem, tentem perceber, informar. E no fim tentar perdoar... Eu não sei se alguma vez o farei.

Joka Serpentina




[fotos internet]
 

João B. Amado

1 comentário:

  1. Grandes lições de vida...
    Lembro-me desse dia, mas confesso que não tive noção da dimensão da coisa. Não sei se pela idade, pela inconsciência...
    Quem me dera ter capacidade de perdoar coisas pequenas... Deus queira que um dia esse infinito me visite!
    És fantástico Joka!

    ResponderEliminar