Penas e saudades

Hoje a minha mãe faria 64 anos. Escrevo-lhe o que escrevi o ano passado, porque o tempo passa, mas as penas e as saudades são as mesmas


Minha querida mãezinha,

Dizem que a internet chega a todo o lado, por isso este ano experimento por aqui a ver se chega desse lado.
Só para dizer que as saudades crescem muito e que toda a gente pensa em ti cada vez que pode. Aliás, tenho dificuldades em perceber como o mundo inteiro ficou na mesma sem ti. Os amanhãs enganam-se sempre e acordo na esperança de ontem ter sido um sonho. É nestes invernos da vida que eu te tinha sempre para me resolver. Avisa aí, que quando eu aí chegar, vão ter que me explicar bem os porquês disto tudo.

Aliás, hoje a tempestade que se abate em Lisboa, é bem prova do choro compulsivo dos céus. Eu percebo, mas não compreendo.

Deste lado as coisas vão andando. Os meus irmãos têm mais juizo uns dias que outros, mas continuam os pilares que os ensinaste a ser. O meu paizinho sente muito a tua falta, e tem dias que sem ti não funciona, mas sabe que pode contar contigo para sempre. O teu genro e as tuas noras são um espetáculo, ensinaste-nos a escolher bem de facto, e se eles foram ao engano foi porque viram toda a mestria e ensinamentos que vinham de ti e do pai. Agradece também desse lado aos meus avós todos que também deram origem a esta complexidade feliz que todos nós somos.

Tenho pena que não tenhas conhecido os meus filhos, pois acho que estarias orgulhosa de mim. Pelo menos faço o meu melhor, acredita. O Manel é igual a mim, por isso já viste os problemas que tenho pela frente. Consegue fazer o melhor e o pior no mesmo segundo, mas lá dentro é um poço de bondade que herdou de ti. Só não admite a existência do número 7...Imagino que lhe irá dar problemas nas aulas no futuro, mas se for preciso faço-lhe um mundo sem o número 7 se é isso que for preciso. O Zé Maria é apenas a melhor pessoa que conheço e ainda nem fala. Tenho a honra de ter sido escolhido (quem sabe com a tua cunha) para o receber e acompanhar, para realizar todos os sonhos que ele tiver. É essa a minha missão. Por enquanto o sonho dele é viver com os pais e trabalhar no Belenenses, por isso estamos ótimos! De resto a minha mulher mantem-me vivo, homem e faz de mim melhor todos os dias, por isso não te preocupes que tudo fica bem. Quando tiver uma filha, não só lhe darei o teu nome, como farei tudo o que fizeste comigo. Aprendeste (ou fingiste) a gostar de ver futebol e a partilhar o teu tempo comigo em tudo o que eu gostava. Prometo que irei ver os ballets, as bonecas ou outras pirosices que for para mostrar que posso ser uma percentagem do que foste para mim.
Já me alonguei em demasia. Reza por nós, e vamos-mos encontrando nas nossas conversas, no tempo em que venho da Azambuja para Lisboa. Beijinhos e saudades infinitas.
Até sempre,

Do teu bebé!

João B. Amado

1 comentário:

  1. Choro sempre que leio, mesmo que no meio de reuniões.
    O ano passado faltava a tania que a tua mãe conheceu mas não como nossa. Na altura gostaram muito uma da outra hoje seriam grandes amigas.

    um beijinho para o céu. À noite festejamos, porque dia de anos é dia de festejar.

    ResponderEliminar