um amor que se entranha

quando nascem não é amor à primeira vista. olho para eles é uma responsabilidade e orgulho imenso mas não sei se é amor à primeira vista. talvez seja mas um amor novo ainda mínimo ao lado do que depois se torna.

desde aquele minuto sabes que dás a vida por eles, mas a verdade é que ainda não nos conhecemos bem.
depois vamos-nos conhecendo. o que gostas, o que não gostas e como és. são horas a olhar um para o outro e esse amor vai crescendo. todos os dias gosto de ti mais 2 toneladas, já vamos em muitas.

tal como primeiro se estranha e depois se entranha este nosso amor vai-se entranhando.

és o meu rato, ainda consigo ver que não és um bebé nestlé ainda és meio menino homem, um velhote em tamanho mini, mas cada vez vou ver menos porque diz que o amor cega e com tanta tonelada deixo de ver. 

como diz o principezinho, é o tempo que passas com a tua rosa que a torna mais importante para ti, e a tua rosa sou eu e tu és a minha. uma pirosada pegada mas que é verdadeira.

por isso meu querido baby, não fiques triste se te disser que não morri de amores quando te vi morri nos dias seguintes quando te conheci, foi assim com todos os outros também. gosto de ti mais e mais todos os dias até que deixo de conseguir contar os dias que tens e o amor passa a infinito. já é um bocado infinito e ainda sei que tens menos de um mês.

e deixa-me que te diga que apesar de estares cada vez mais fora de mim és cada vez mais meu.



rosa amado

1 comentário: