vaca leiteira II

De três em três horas uma de fora. Ora a esquerda ora a direita, que nem uma galdéria. Dia e noite sem dó nem piedade.
Dizem que é mágico, talvez, dou por mim a imaginar biberons cá com uma magia que não sei não.


Ficar em casa o tempo todo não é uma opção por isso às vezes levamos a maminhas a passear. Só custa a primeira depois lá vão elas com a devida descrição, apesar de tudo não é o da Joana [é do joão].


Depois surge a bendita hora em que gritas por liberdade e sacas da bomba. Se achavas que era divertido até então, toda esta vida ganha nova magia. 


vrum vrum vrum vrum som de vacaria a um ritmo assustador e sai uma cena estranha de ti à qual chamam leite, tipo o do pacote mas teu. Difícil de acreditar nesta realidade de produzir leite, euzinha. Não parece real, talvez por isso seja tão "mágico".


apareço orgulhosa depois de 20 minutos agarrada à máquina e a minha liza olha com aquele ar de desilusão? "só isso dótora? estava só a testar a máquina?" nesse momento é oficial que és uma porcaria de vaca para não dizer mesmo uma vaca de merda.
Lá vai ela buscar a mezinhas à gaveta para aumentar a produção como se de um apocalipse de tratasse, vai de milho, mandioca, fuba, isto e aquilo. enfia-me bolos pelo bucho com tudo isso e nesse ponto não me posso queixar, marcha de tudo. tudo para ser uma vaca melhor.


tudo isto é meio assustador e fica a dúvida de porque o fazemos. Dúvida justíssima. A cena é que diz que é bom e que mãe não faz de tudo para dar o melhor aos seus filhos?!
É isso xavi, estamos nisso juntos, a vaca e o vagabundo [mas não te habitues imenso porque não vai durar para sempre meu amor].




rosa amado

1 comentário: