O fim das duas semanas

eu e xavi sentadinhos à porta da última terapia destas duas semanas intensivas.  Ele dorme e eu escrevo.

Foram duas semanas estafantes para todos mas espetaculares para todos especialmente para o zé.
Se pensarmos que quando se tem trissomia tudo é menos óbvio mas tudo se aprende, é irresistível que se queira ensinar tudo. Tudo duma vez.

É fácil se pensarmos que é só isso mas então e por onde começamos? Começo a debitar o alfabeto e depois palavras e ele fala? Ou atiro 57 vezes a bola para ele desatar a correr na perfeição?
Podia ser claro, mas não.  Por isso pedimos ajuda a quem percebe realmente e ensina a apontar o dedo e nos explica que isso em si implica consciência do seu corpo do pescoço à ponta do dedo, implica a vontade de dizer qualquer coisa e já prepara o 1 da matemática. Faz sentido mas eu cá não me lembrava de tanto.

E foi isso que tivemos a fazer. Consolidar ensinamentos no corpo e na cabeça para que agora com estes novos abdominais não falte força para o que quer, que aprendendo a sentar-se direito ajuda a que saia a correr, que a postura à mesa é determinante para a relação olho-mão e que isso traz conceitos determinantes para a leitura e escrita. Que as lengalengas que afinal não esquecemos estão lá para nos ensinar ritmo, tempo e matemática e que o dó-ré-mi-fá-sol-lá-si-dó não são só notas e que o dedo mindinho e seu vizinho vão ser importantes para a escrita. Que tudo isso ele aprende tal como os outros, mas nem sempre lhe sai naturalmente e por isso ajuda se lhe ensinarmos.

E depois com tudo isto começam a sair as outras coisas que nós achávamos ser o que nos levava ali. A fala é uma das consequências que tanto queríamos.  Continuamos a querer mas sabemos esperar melhor até porque tem saído cada vez mais e melhor. Diz mais coisas e empoleira-se na janela para contar imensas coisas ao sr das obras. Já não diz só Olá e boa. Diz mais e o resto parece estar mesmo debaixo da língua.

Por isso acabamos felizes e contentes. Agora mais um tirinho e são férias e já vai sozinho fazer muito mais e melhor.

Orgulhosa destes passos todos e desta força que tem que o faz cair e levantar-se sem grandes birras e lhe dá paciência para horas a exigirem dele. Da dedicação da nossa querida Célia. Ontem os dois juntos quase choraram depois duma qualquer conquista. Eles e eu só de os ver.


rosa amado

Sem comentários:

Enviar um comentário