A saga do SEF

E a saga continuou como esperado.

Voltámos ao sítio onde nunca fomos felizes e levámos tudo o que aparentemente era preciso mas afinal não chega. Documentos oficiais que não estão certos, declarações que afinal têm de ser autenticadas, contratos autênticados que afinal precisam de ser fotocópias e tudo mais.

Há dois anos quando começou a ir ia sozinha. Perguntava como tinha corrido e nem se sabia bem, faltavam coisas era o que dizia. Ajudava nessas coisas e pedia lista de tudo, reviamos as duas mas ou não chegava a entregar ou vinha chumbado. Um ano e meio depois quando estava tudo certo e alinhado veio outra vez chumbado. Raios alguém não estava a perceber bem. Peguei nas botas e fui com ela.

Serviço típico do estado e até aí tudo bem. Senha para as 9h e és atendida às 11h30 é logo bom para justificar ao patrão. Malta de todas as etnias a atender o que dá um orgulho imenso pensar que depois de legalizar damos oportunidades de os integrar até que percebes que são duma antipatia atroz. Falam alto e arrogantemente com as pessoas não fossemos nós achar que ali somos todos iguais, com mais ou menos assuntos por resolver. E depois começa a inquisição no que é uma verdadeira caça ao erro. Duma das vezes apanhámos uma sra bem simpatica que permitiu ir ali tirar um papel ao mb de todas as outras parece que voltámos ao tempo da guerra e nós somos o inimigo.

Percebo bem que há regras e percebo também que somos um país pobre, nem sempre dá para nós não pode dar para tudo mas sejamos coerentes e razoáveis. Não vale tudo. Não tem rendimentos vai embora mas se tem condições para ficar tem de poder ter a sua filha menor e sem pai com ela. Tem de ter. Somos humanos e não podemos querer mais para nós do que para os que acolhemos.

Reconheço que muitas vezes a precaridade do trabalho destas pessoas é também culpa nossa e até já tive culpa nisso. Não declarar tudo ou não pagar tudo o que devia por ela, se fizessem o mesmo comigo acharia crime. Reconheço e fiz tudo para alterar o que conseguia mas nem assim chegava para a sra do SEF.

E foram ontem outra vez ao bendito. Não podia mesmo ir mas sendo que da última a única coisa mal eram dados errados de dois documentos se são Tomé, depois de os ter certos e vindos de avião achei que a margem para erro era próxima de zero. Foi a Tânia. Liga passado pouco tempo a dizer que está tudo mal. Passei-me. Liguei à super Pipa a implorar ajuda e ela vestiu a capa e tava lá em minutos. Um advogado impressiona sempre e ela mais que todos. Lá foi. Acalmou a lisa que chorava e a tania que estava no meio de fogo posto. Conseguiu perceber mais um papel que afinal faltava e prometeu que lá estaríamos no dia seguinte com tudo. Escreveu procurações e autenticou todos os documentos extra e lá fomos hoje again.

8h da matina para tirar a senha. 9h para perceber que ainda faltava mais qualquer coisa. 10h e ainda não tinha chegado a nossa vez. 11h e lá vem a pipa a voar rua abaixo para nos ajudar na última senha do dia para advogados. Sentadas e o suspense. Ela vai pedindo tudo e vamos dado, documento a documento com mais detalhe que o csi. Contrato de casa assinado e autenticado mas afinal era preciso fotocópia. 3 máquinas atrás mas nada de abebias, combiamos e deixo-as na papelada para voar às cópias. Centro de copias do outro lado da rua, gabinete fantasma com um sr estrangeiro a tirar cópias.  Não percebe o que digo, bom presságio, no fim faltavam 20 cêntimos e não havia tempo porque a sra do SEF não espera. Empenhei a moeda de colecção do banco de Portugal comprada para o meu afilhado de paris, olhou para mim como boi para palácio.  Percebe-se. Gesticulei que era valiosa e pagava a cena que nem o robin dos bosques e ou porque não percebeu nada ou viu bem o desespero lá me deixou ir. Lá estavam elas na fase final de entrega a espera da cópia do contrato. E um papel na mão de tudo entregue. A Pipa como  profissional e correcta perguntou procedimentos e pediu prazos mas tudo o que se ouve é que é tudo variável.  Nada que já não tivéssemos percebido na verdade.

Saímos com a taça na mão de uma procissão que na verdade ainda vai no adro. Ligou a mãe da lisa que tá com a filha em s.tome e emocionada dizia só para agradecer muito a quem tá a ajudar. E ela sabe bem o que diz, obrigada super pipa, Pilar e todos os que têm enviado mensagens a ajudar no que podem.

Ainda não tá nada resolvido mas juntos somos sem dúvida mais fortes.

rosa amado

1 comentário:

  1. Olá Rosa, sei bem do que falas...
    Sou assistente social e o SEF encabeça a lista de servilos publicos que mais parecem poços sem fim...
    tenho pena de dizer isto, mas é a verdade.
    Bem haja pela tua ajuda a essa familia, espero de coração que consigam vencer essa batalha!
    Beijinhos,
    Ana Martins

    ResponderEliminar