Parada

Fui almoçar sozinha na esperança que o tempo parasse.
Sentei-me, pedi um hambúrguer e parei a olhar para cima na esperança que o tempo parasse.

Tentar não pensar em nada. Não sentir nada. Não nada.
Limpar a cabeça do caos de tudo e de nada. Perder tempo a não fazer nada.

Ficar ali só a aproveitar o sol entre nuvens. Estranhar quando demora muito a aparecer e aproveitar quando fica.
Querer nada. Muito de nada. Nem sequer que o hambúrguer chegue para não estragar.

Tanta coisa para não pensar. Tantas coisas por desorganizar na cabeça. Querer que isso tudo fique lá quietinho.
Nada de trabalho, nada de miúdos, nada de graúdos. Nada de nada.
Vento na cara e o sol volta.
Tenho de fazer mais vezes disto. Isto do nada faz falta para tudo.
Fechar os olhos. Tentar não adormecer, adormecer só um bocadinho e pedir um café.

Beber devagarinho. E ficar mais um bocadinho.


rosa amado

Sem comentários:

Enviar um comentário