Pico de febre do zé

O xavi teve um ontem. 39 de febre um benuron, bochechas a arder, água e mais água, fruta e passou.

Lembrei-me hoje a caminho do trabalho que o zé ia também teve um igual mas foi bem mais assustador.

Acabados de aterrar em São Tomé, hotel top e depois de um dia na piscina ainda a aterrar tivemos uma noite aterradora. Sabíamos que ir a São Tomé era arriscado por não ter sistema de saúde fiável, sabíamos porque o pediatra nos tinha dito e até desaconselhado. Sabíamos que haviam doenças diferentes das de cá e que não sabíamos bem os sintomas. Sabíamos tudo isto mas também sabíamos que as probabilidades de apanhar alguma coisa eram reduzidas, íamos prevenidos e afinal lá também há crianças e que está tudo bem.

Sabíamos isto tudo, sabichões, até que ao princípio da noite do primeiro dia em que o zé ia começa com um febrão. Não era coisa habitual nele, tinha um ano acabado de fazer e já tinha tido febre na vida mas nada disto. De repente 39 e sem mais sintomas.

Benuron supositório com ele e deitámo-lo no meio de nós na cama de baixo do mosquiteiro. Ele ardia. Olhávamos um para o outro com aquele ar "uii que isto vai dar cocó". Toalhas molhadas na testa e minutos depois tavam a ferver. Um voo semanal na altura para ir e voltar para portugal, saía no dia seguinte de madrugada e ponderamos em ir lá suplicar um lugar para nós. Qualquer coisa também tínhamos o telefone do médico, o tal que nos tinha aconselhado a não ir. Paí 3 horas neste cenário. Os três agarradinhos a rezar para que passasse o que quer que fosse que ele tinha. Ele dormia e nós olhávamos para ele. Nunca fomos galinhas mas na ilha deserta a história era mais complicada. Milhões de cenarios mirabolantes e três horas depois ele tava melhor, mais uma e tava óptimo.

Dormiu bem e acordou perfeito. Bem disposto e animado delirante de estarmos lá todos juntos.
Decidimos ficar, na verdade o dificil seria decidir outra coisa sendo que só tínhamos bilhete para uma semana depois. Decidimos continuar os planos de percorrer a ilha, voltávamos a correr se ele tivesse mais um grau.

Não teve. Não sei o que lhe deu naquela noite mas depois disso tava perfeito. Tal como o xavi ontem às tantas.

Foi a melhor viagem das nossas vidas, foi espetacular. Fora essa noite que foi só assustadora.

rosa amado

Sem comentários:

Enviar um comentário