Natal partilhado

Como prometido enviaram um email com as características da familia que nos tinha calhado na rifa, e que rifa.
Uma mãe de 33 como eu, um bebe de 8 meses e outra de 6 anos, mais uma sogra e três filhos de 6 anos (da mesma idade da sobrinha), de 18 e 25. Encaixava bem nas idades dos nossos. Tudo entusiasmado.

Uns trataram dos presentes, outros do cabaz e sábado tudo alinhado para os  conhecermos. E foi tão nice.

Tinham bolo e chá para nos receber e em menos de 5 segundos o zé estava à mesa. Um dos presentes era o bingo e deu bingo a hora inteira. Foi so ver saltar números e sorrisos, ja tudo integrado.

Eu e as "donas da casa" conversamos sobre coisas que se conversam com amigos, como vai a vida, o trabalho, as coisas da casa, os filhos e tudo. Acompanhadas de chá do bom.

Agradeceram muito as coisas que levamos e contaram sobre as saudades do natal em s. Tomé. Uma semana antes já anda tudo em rebuliço e as praças cheias de gente, depois dia 24 ficamos todos juntos, comemos e bebemos e conversamos até ser outro dia. No dia 25 - quase sem ter dormido- fazemos o mesmo e é tão nice. Está calor, tudo na rua à mesa.

Aqui podia ser assim mas ta frio e as condições são mais dificies. Mas vai ser bom na mesma, disse ela - concordo eu.

E fizemos mais uma família amiga.

Obrigada Apoio à Vida, foi mágico.


rosa amado

2 comentários:

  1. Um dia destes conto-lhe uma coisa! Boas festas

    ResponderEliminar
  2. O dia chegou. Por inspiraçãõ˜sua, inscrevi a minha familia para ir visitar uma outra familia. A ADAV Coimbra- Associaçãõ˜de Apoio àˋVida, sinalizou-nos uma familia e hoje lá´fomos nós, começar o ano em grande.
    Uma famíĺía com tres filhos, duas meninas com 10 e 7 anos e uma menino com 1 ano, com muitos problemas asmáticas. Para além de muita debilidade financeira, percebemos que existem muitos problemas na relação conjugal e noutras relaçõẽs familiares.
    Levámos esperança, alegria, mercearia, presentes e algumas roupinhas quentinhas.
    Foi muito bom... para graúdos e miúdos.Os meus brincaram com os deles e foi muito agradável.
    tive uma juventude próxima de alguns carismas missionários e sendo católica, ainda sinto em mim uma certa fome missionária, de estar onde somos mais precisos, que quero passar para os meus filhos.
    Obrigada pelas suas partilhas e pela sua inspiração. Conto que o continuará a fazer em 2017!!

    ResponderEliminar