Como começar a escrever tudo sem que seja confuso?





Como começar a escrever tudo sem que seja confuso? Não sei, até eu estou muito confusa...confusa na medida em que as pessoas que fazem verdadeiramente voluntariado falam sempre da situação de nos prepararmos bem psicologicamente porque depois a dita aterragem é difícil, é sempre, eu sei, mas cada um reage de forma diferente e por mais que se faça várias vezes, essa aterragem vai sempre ser diferente. Por isso não sei como me preparar, nunca soube, mas o que faço e tento muito, é ir com noção de que independentemente de tudo, vou dar e dar, vou facilitar o que está a complicar, vou estar só.
E foi o que tentei fazer nestas férias de família em salamanca, onde estivemos a viver em familia, que em vez de 6, fomos o dobro ou o triplo. Desses, dos dobro ou triplo, vi muitos e dei-me, entreguei-me a todos, mas houve um que me entreguei naturalmente, chama-se Sebas.
Lembro-me que ao prncipio tentava comunicar e meter-me com o sebas, mas eu passava-lhe ao lado e só pensava, "este sacana que tanto quero conhecer, nem olha para mim", depois lá me foi falando, disse-lhe que gostava do Barcelona, riu-se e foi-se embora. Nem sei quem são os jogadores mas, por ele passei a saber, e ainda vi jogos com ele mais tarde, vi jogadores, aprendi e assim estava mais próxima dele. Fiquei mesmo muito feliz porque sentia que estava a dar de mim, mas a receber bem mais, só de lembrar do riso de felicidade e espontaneo do sebas, já só quero voltar.
O sebas tem 14 anos e não gosta de confusões, pelo que entendi tem asperger, mas não me quis muito focar nisso porque antes da doença, é uma criança com as suas manias, os seus medos e as felicidades. Quis conhecer o sebas , não gosta nada de ir, por exemplo, ao cinema porque é muito confuso para ele e pessoas novas, não gosta e sente-se perdido. Houve um dia do teatro para todos que os meus pais ofereceram, o sebas disse logo que não ia, mas a Rita disse-lhe que caso ele  uisesse vir embora que vinha com a Pati (uma monitora), lá entrou, sentei-me ao lado dele caso  osse preciso alguma coisa e pudesse transmitir-lhe que estava tudo bem, aguentou meia hora e disse-me que queria sair dali, disse-lhe claro e que ia dizer à Pati, mas ele pediu-me que fosse eu com ele, então fui eu. Fomos lá para fora e os dois calados, não sabia o que fazer, se falar, ele podia estar muito stressado e isso ia piorar, se ficarmos no silêncio, até a mim a situação estava a stressar e a ele podia transmitir-lhe insegurança, decidi que ia falar pouco e dizer coisas que o fizessem distrair. Para não falar de todo o tema espanhol português, sim porque o meu espanhol é português, talvez nem chegue a portunhol. Assim que abri a boca, começa o sebas a falar e não se cala, só me ria, nervos à mistura com felicidade de ele estar bem, falei-lhe da lua, ele fala-me de todas as bandeiras com uma lua e estrelas e no meio destes ensinamentos "cravou-me" duas que ele tanto queria, disse-lhe que sim, ia fazer os possíveis. Naquele momento só queria continuar a ver a felicidade e o bem-estar dele, só isso.

E assim a nossa relação se foi construindo e ele aos poucos deixava-me fazer parte do dia-a-dia dele, como eu fazia questão que ele fizesse parte do meu.

Joguei à bola uma manhã inteira com o sebas e o zé Maria, eu e o zé contra ele, coitada de mim e do zé que ou só fugiamos da bola e lá era golo - eu já só olhava para a cozinha a pensar quando é que alguém nos chama para o almoço que eu já não aguento estas corridas de lá e pra cá-, segundos com a bola nos pés, uma hora atrás do sebas, a outra alternativa também foi pôr
o zé à baliza, defendeu algumas coitado, outras o sebas continha-se e assim dava para eu recuperar, lá acabou e mais uma vez estava o sebas feliz e se ele estava eu tava pelos dois.


Já aterrei, mas ainda me lembro muito no meu dia-a-dia do sebas, faz-me falta poder cuidar de alguém que não pede, mas que precisa; faz-me falta ter pessoas à minha volta como o sebas que me transmitam que sou capaz de dar, basta saber estar; Faz-me falta o sebas só porque sei que ele vai estar ali, feliz eu sei, mas queria ter deixado ainda mais de mim.


escrito por tanica mas carregado por sua mãe

rosa amado

2 comentários:

  1. Parabéns "tanica" que lindo texto,mas mais lindo que o texto é perceber o tipo de pessoas tu és, deve ser fantástico conviver com uma pessoa assim.
    Desejo vos um óptimo ano, que o será certamente com um começo dessa maneira.
    Beijinhos para todos

    ResponderEliminar
  2. Vocês são espetaculares. Os 6! OBRIGADA

    ResponderEliminar