vaca leiteira III

obrigada nestlé.
obrigada por me teres convidado a ir aí para ouvir sobre os primeiros 1000 dias do meu filho.
obrigada por teres dito 57 vezes que o melhor para ele era o leite da vaca da mãe, apesar de vocês venderem o leite com que sonho há dias.
emprestaram-e a vossa sala espetacular para dar de mamar que nem uma princesa [não sei bem se o conceito existe mas nessa sala está bastante próximo]. deram-me um lanche impecável e ainda saí de lá com uma ensaboadela sobre psicologia do bebé pelo dr eduardo sá. um luxo. obrigada

cada vez que ele olha para mim com aquele ar sedento, mesmo que só duas horas depois, num misto de sede e de calor e quase me manda-lo pela janela lembro-me de vocês. fonix aquelas latas [com que eu sonho] são caras para xuxu ainda, vocês devem fazer bom dinheiro delas, ainda assim convencem-me de que o melhor é dar leitinho da vaca da mãe. obrigada

por essas e por outras continuo nesta vidinha, já estive mais longe e mais perto de a deixar. a minha grande motivação para continuar é pensar que assim sendo não tenho de levar biberons para a praia, menos uma coisa para carregar. mas quando penso nas vossas latinhas confesso que o leite em pó me soa a uma das sete maravilhas do mundo, e um biberon com água afinal não pesa assim tanto.

de qualquer maneira se agora o quiser convencer a largar-me vai dar luta, a tal cena das tetinas que já vos contei. com ou sem guerra um dia há de ser baby, por ti e por mim. com os teus irmãos também foi assim e foi fixe.

depois por outro lado este bicho chato que só quer mãe e se lhe mostrar as maravilhas do biberão começa a perceber que existem outras coisas boas no mundo e eu passo só a ser mais uma. e pronto qualquer dia está no altar e foi-se. mete-me pena deixa-lo ir assim.

enfim cá andamos na esquizofrenia da vida, nesta corda bamba entre o que é melhor para o corpo e para a alma. para já tem ganho a nestlé e a vaca continuo eu, mas viva a lata.

[Por tudo isto quando for a lata vai ser a vossa. Pela responsabilidade social que têm tão boa e com menos proteína que as outras. Como se quer nos tais primeiros mil dias.]

rosa amado

3 comentários:

  1. Desculpe a intromissão mas quando é que passou para o leite artificial no caso dos outros seus filhos, Rosa? É que estou numa situação semelhante mas em que nos anteriores não passei para o leite artificial antes dos 5 meses, mas desta vez as circunstâncias da vida familiar estão a levar-me a fazer isso mais cedo. Revi-me muito no seu texto e por isso fiquei com curiosidade em saber o que fez das duas vezes anteriores (talvez para não me sentir tão desacompanhada nesta decisão)... Se puder partilhar, agradecia muito! Obrigada e beijinhos
    Paula

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Paula nos outros deixei de ter leite num aos 2 meses e outro às 3 meses. Sei que leite materno é optimo mas se quiser mudar não se sinta mal, eles adoraram, sempre foram muito saudáveis, poucas doenças e não tiveram menos mimo.por isso. Talvez mais por estar psicológicamente mais disponível.
      Faça o que o seu instinto lhe disser ou onque tiver de ser sem se sentir mal. De certeza que é uma mãe espetacular! Bjs Paula

      Eliminar
    2. Muito obrigada pela partilha, Rosa! Beijinhos

      Eliminar