Insónia de exame

Não sei se tás a ter mas eu tou, não quero perguntar para não te acordar, senão conversávamos. Não sou eu que vou fazer o exame amanhã mas tou que não posso, a verdade é que uma parte de mim vai.

É o último amanhã e não têm corrido bem. Não lidas bem com o stress e chega a altura e isso toma conta de ti. Nunca me aconteceu, pelo menos a ponto de me lembrar ou saber como fiz mas a verdade é que te acontece a ti e sinto-me incapaz por não conseguir ajudar-te a ultrapassar isso.
Tens medo de desiludir e eu, eu fico desiludida comigo só de pensar que sentes isso. É óbvio que são importantes para ti estes exames, é também óbvio que tens dado tudo. Então porque não resulta? Parto a cabeça a pensar nisso e a ver como podia tornar a coisa mais fácil, não chego a nenhuma conclusão só à que está tudo nos nervos da tua cabeça e por muito que façamos não alivia. Não é um problema de inteligência, nunca foi. Torna a coisa ainda mais difícil de desvendar e pronto, ando eu praqui a divagar.

Amanhã é o fim e seja o que for já foi. Depois são férias para as quais tás doida para começar, num misto de poder finalmente ir à praia e tirar essa carga. Eu cá gostava que tivesses mais tempo, provavelmente não resolvia nada mas é a tal dúvida de tirar o penso de pressa ou devagar. E lá estou eu a divagar.

Rebolo para lá e para cá na cama, ninguém diria que me deitei cheia de sono, nem eu. Amanhã é importante acima de tudo que não estrague esse amor próprio e por isso rebolo.

Talvez seja só pela mensagem que não te escrevi, ou só não enviei, na tentativa de aligeirar o stress. Devia ter mandado na mesma para teres mais ums vez a certeza que tou a torcer por ti. Amanhã são férias e voltas para ao pé de nós porque os martelos e criançadas deixam de ter importância. Passa a ser só isso o importante.

Já cantam os passarinhos vou dormir. Ou então não mas dorme tu bem. Não podendo ajudar no resto tenho insónias por ti.

Até amanhã. Já só falta um bocadinho.

rosa amado

Sem comentários:

Enviar um comentário