daqui para o nepal num tirinho

trocávamos emails por causa da passagem de ano, programas calmos como manda o alentejo a convite do meu sogro espectacular. parece boa ideia e depois começas a pensar no alentejo com frio, chuva e um turismo de habitação a ser destruído por 10 mini pessoas e tu sempre a lutar contra essa realidade. não ia ser um programa calmo nem de lareira e começa a instalar-se alguma inquietação.
não sei bem explicar mas lá no meio veio um "para o caos então vamos para o nepal ajudar e assumimos que não vamos descansar". ok, foi o que ouvi do outro lado.
não foi logo nem foi da boca para fora mas foi ok.
não queria acreditar que alinhava nisso. o plano meio maluco metia levar os miúdos (menos o xavi), deixá-los no meio dos miúdos de lá e pôr mãos à obra para reconstruir o que fosse que ainda havia para pôr de pé. ver de férias, de projectos, enviar emails e preencher formulários online. quase parece que já lá tens um dos pés.


sempre sonhei fazer voluntariado em família, imagino que seja bom para todos. mesmo para os miúdos que não podendo pôr mãos à obra dão o que têm e partilham isso mesmo com os outros miúdos que lá andam. e nós, nós lavamos a alma, porque voluntariado faz isso. lava-nos a alma e enche-nos de uma energia que não se explica.

depois de dois dias a viajar nesta espécie de sonho começas a cair na real. disposta a largar tudo e passar o natal fora, render quem lá está o ano todo e quer vir a casa no natal e na passagem de ano. Parece lógico, é o espírito da coisa na verdade.
e depois tens a realidade: bilhetes para pagar e sítios concretos que queiram e precisem.


três dias e nada de respostas, um fim de semana pelo meio a pensarmos em fontes de rendimento alternativas. chega uma resposta e parece que um dos projectos acaba antes da data de ida, menos um possível. shit


O que parecia um sonho parece que afinal pode não ser possível, até porque se calhar nem faz sentido se não for preciso.



e para quem acha daqui que somos só espectaculares por pensarmos nisso aviso que não isso não é verdade. vamos sem qualquer tipo de sacrifício, na verdade estávamos dispostos a pagar por isso, porque achamos que é uma experiência que vale a pena ter. pela tal lavagem de alma e para conhecer mundo. temos pouco de santos.



não sei se vai acontecer, se vamos ter respostas positivas, mas se souberem de projectos que precisem, que não sejam muito caros de longe e que seja viável receber-nos apitem. 
refugiados era o primeiro deles mas parece-nos pouco viável de ir em família ou num projecto de tão curta duração.  


rosa amado

8 comentários:

  1. Conheces esta iniciativa: http://www.paraonde.org/ ?
    Estão a par de imensos projetos de voluntariado, podem dar-vos dicas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. uauauau n conseguia abrir mas já consegui, vou explorar!
      Obrigada! beijãoo

      Eliminar
  2. Duas filhas de uma amiga tiveram 5 meses no camboja, deixa me perguntar o quê, sei que uma foi por menos tempo, e outra ficou meses.. pode ser que queiram por 15 dias ;)

    beijossss

    ResponderEliminar
  3. A Madalena Pedreira foi em Outubro para o Nepal :) pode ser que te consiga ajudar!! Grd bj

    ResponderEliminar
  4. Podemos ir também? Que idade têm os miudos? Será que se formos mais conseguimos mais força, ou por sermos mais até atrapalha?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá LPC, voluntariado a mais bem organizado não atrapalha! estamos em conversações com várias ongs e a fazer contas aos tostões a ver se arranjamos maneira de ir.. querem vir? podemos combinar todos! estamos a apontar para 26/12 a 6/01, bora daí? rosinhananet@gmail.com ou joaobamado@gmail.com e combinamos tudo!
      beijinhos

      Eliminar
  5. Finalmente com tempo (a doenca afinal tem vantagens) para ler o blog outra vez. Meus queridos Amados so espero que consigam! Lembro-me sempre das familias que vi durante a viagem (e a fazer muitas vezes voluntariado pelo caminho) e imagino-vos sempre a fazer o mesmo :)

    Babinha

    ResponderEliminar