para já vamos ficando por aqui

Fui ao websummit há umas semanas. Foi muito interessante a vários níveis mas houve duas conferências que ficaram em mim mais do que as outras: uma da Meredith Foster e outra do Bispo Paul Tighe. Tiveram um impacto de tal maneira que ando há semanas a pensar o que na minha vida vou mudar em consequência disso.

Sobre a primeira, a Meredith, a conferência era sobre Marketing yourself, fiquei estupefacta como alguém com a banalidade/simplicidade de vida dela é seguida por milhões de pessoas. As fãs dela adoram-na, vêm todos os vídeos dela, a toda a hora. Ela faz um vídeo por dia e não sabe bem descrever os conteúdos, sem maldade nenhuma nisto, faz sobre o que gosta em geral, vende produtos que gosta e fala de banalidades da vida. Nada a assinalar contra a rapariga que não tem maldade nenhuma e é até bastante honesta quanto ao que pretende acrescentar à vida da malta e diz que não sabe bem.
A mim, que vou para o inferno, pareceu-me um montão de futilidade incrível de perceber. Mas a verdade é que me impactou no ao ponto de pensar se nós, os Amados, não seriamos também isso e só isso.

Depois o tal Bispo, vais lá à hora marcada assistir à conferencia sobre a igreja nas redes sociais, sem grandes expectativas e um bocadinho a pensar que lá no fundo ele vem evangelizar a malta duma forma mais cool - só que não (#sqn como diz a tanica). Ele vem dali e no alto da sua simplicidade conta que pensou que não era básico explicar a um sr de 80 anos o impacto das redes sociais, mas foi pelos benefícios e disse ao Papa que achava relevante que estivessem no Twiter, porque as pessoas estão lá e devem estar perto das pessoas a passar boa onda. Porque as redes sociais estão carregadas de noticias más e criticas ferozes a tudo e que uma mensagem de esperança às pessoas era excelente. O Papa Bento, na altura, disse facilmente que sim contra as expectativas do Bispo. Disse sim, que se era uma ferramenta para levar mensagens de esperança às pessoas e impactar positivamente o dia a dia deles, claro que sim. E assim foi. O Papa Bento, e depois o Francisco, entraram em grande nas redes sociais para impactar positivamente as pessoas, crentes ou não, com mensagens positivas. Com o pedido ao Bispo, que geria as redes, que lessem todos os comentários, vissem o que as pessoas querem saber, o que as atormenta e em sequência disso tentar melhorar isso na vida deles.

E foi incrível, a maneira simples com que disse coisas tão impactantes e que nunca saberei escrever com justiça. (não tenho o video)

O testemunho da  Meredith não era contraditório com o do Bispo, às tantas era complementar, ou era contraditório? Não sei. Ando a pensar nisso há semanas e na minha vontade de acrescentar mais futilidade ao mundo através do blog, ou da minha presença nas redes sociais, ou no que vejo, no que alimenta o dia a dia.
E não tenho nada claro, já pensei em desistir de tudo várias vezes e viver só no analógico, fazia algum sentido. E nesta viagem de maionese de semanas o meu joka partilha este vídeo e volto a pensar que realmente, por isso, nem que seja só por isso talvez valha a pena mantermos-nos por cá para desmistificar esta cena do down Syndrome só mais uma beca.



Vamos ver em que ponto acabamos, para já estamos por aqui.


rosa amado

5 comentários:

  1. Top!
    Adoro a vossa honestidade e seriedade para com o blog, mas especialmente para com a vida. Vão ficando :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelas mensagens tão queridas. Vamos ficando. grande beijinho

      Eliminar
  2. Olá Rosa,

    Sou a Andreia, vivo em Toronto, e descobri este blog dos Amados através do ties.pt (já não sei bem há quanto tempo...). Desde então nunca mais deixei de vos ler, por tantas razões. Admiro imenso o impacto evidente da vossa fé cristã (que também partilho) nas coisas pequeninas e grandes (especialmente no que toca à adopção da Tânia, e a naturalidade da vida com um filho "trissómico", como diz sempre). Os vossos textos são cheios de humor, e demonstram uma forma de levar a vida com leveza e alegria (o que não quer dizer que não vivam coisas difíceis). As vossas partilhas tanto me fazem rir a bom rir, como reflectir acerca da minha própria vivência.

    Tenho sempre imensa vergonha de comentar blogs de pessoas que, efectivamente, não conheço... mas pronto, aproveito este post para deixar aqui o meu obrigada pela vulnerabilidade das vossas partilhas, sempre edificantes e deliciosas. Se algum dia resolver que encerrar o blog é o melhor, pode ter a certeza que o tempo que cá esteve não foi em vão (nem fútil)... e pronto, deste lado do Atlântico vai deixar uma seguidora com saudades :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Wendy e Andreia. eu também tenho vergonha de comentar noutros blogs por isso percebo. estando deste lado é um gosto saber para quem escrevemos e se para eles faz sentido. obrigada por isso.
      vamos ficando, mais contentes por vos saber desse lado. Obrigada

      Eliminar